Olá,

SUA LISTA
EDITAR CONTA
SAIR
ENTRAR
ESTRELA CADENTE

30 | TRIGÉSIMO CAPÍTULO

As emoções e surpresas no desfecho dessa história emocionante.

TV NOVELAS                                                                2017

 

 ESTRELA CADENTE

 

CAPÍTULO 30

(Último Capítulo)

 

Novela de

Lucas Oliveira

 

 Direção

Vitor Abou

 

Direção Artística

Vitor Abou

 

CENA 01. EDIFÍCIO DALGA. APARTAMENTO 155. SALA. INT. NOITE.

Continuação imediata do capítulo anterior.

Eliete abre a porta. Jader adentra o local enfurecido.

JADER: (Gritando) Então é isso! Mais uma vez Eliete Marques mente e consegue me colocar no bolso. Chama um tatuador. Liga pra um tatuador e manda ele vim aqui desenhar bem grande o nome OTÁRIO na minha testa, porque eu mereço!

Eliete paralisada. Jader furioso. Encaram-se.

ELIETE: Do que você tá falando?

JADER: Eu tô falando, Eliete, é da sua cara de pau e desse seu cinismo que não tem fim! Mente, finge e depois faz tudo de novo. Repetiu o mesmo erro duas vezes e o trouxa aqui, caiu. Eu realmente mereço esse rótulo mesmo.

ELIETE: (Aproximando-se) Jader, deixa eu te explicar...

JADER: (Recua) Não se aproxima! Não chega perto de mim que eu sou capaz de fazer uma loucura! (T) A Fabiana gravou você confessando tudo. Usou do mesmo artificio que você fez pra chantageá-la e me mostrou. A Branca foi junto e confirmou até a ameaça que você fez ao namorado dela que tava hospitalizado e que não tem nada a ver com essa história. Sua máscara caiu em definitivo! Como é que você pôde ter feito uma coisa dessas, Eliete?! Usar a Branca novamente pros seus interesses, ameaçar a vida do namorado dela, uma pessoa, pra quê?! Pra não queimar seu filme comigo?

ELIETE: (Começa a chorar) Pra você vê a dimensão do que eu sinto por você, Jader.

JADER: (Riso nervoso) Você realmente se superou! Fiquei pensando que a Branca é quem era a traíra, mas não, sempre foi você. E claro, o babaca sempre foi eu. Isso eu admito! Você queimou todos os cartuchos, esgotou todas as possiblidades de relação entre nós dois. Não dar mais nem pra ter tua amizade. Não dar mais pra eu olhar pra você.

ELIETE: (Desesperada) Não faz isso, Jader. Tudo que eu fiz foi por amor. Foi porque eu te amo demais!

JADER: Não, não. O amor é calmo, sereno, tranquilo. Você só fez causar tempestades. Não usa essa desculpa de amor pra justificar suas insanidades. Você nunca quis me ver bem. Você só quis me ver do jeito que era o seu bem. Amar não é ser egoísta, Eliete. Você foi!

ELIETE: Eu tava fora de mim, completamente fora de mim. E quando a gente estar fora de si, eu, você e qualquer um, podem ser capazes de tudo! (T) O importante é se arrepender, é reconhecer que errou, é não querer praticar mais. E isso eu tô fazendo, Jader. Pelo amor de Deus, me perdoa!

JADER: Eu não sei se sou capaz! Tô frustrado, enraivado, decepcionado demais. Eu tô com nojo, Eliete. NOJO! (T) Quem sabe o tempo não seja o remédio?!

ELIETE: (Aproximando-se/Chorando) Jader, por favor!

Jader empurra Eliete que cai no chão. Ele sai do local batendo a porta bruscamente. Eliete, caída, chora compulsivamente. CORTA PARA/

 

CENA 02. EDIFÍCIO LORES. APARTAMENTO 199. SALA. INT. NOITE.

Branca e Fabiana sentam-se no sofá.

FABIANA: Tô me sentindo com a alma lavada. Agora sim a Eliete foi desmascarada definitivamente. Não há mais nada pra ela fazer. Só se conformar.

BRANCA: Será? Sinceramente, vindo daquela ali, eu não duvido mais de nada!

FABIANA: Conhecendo o Jader como eu conheço, vai ser difícil ele continuar falando com ela. Até a amizade dele, ela vai perder. Não tem mais jeito. Não tem mais pra onde ela descer. Agora só falta mesmo o Rafael me perdoar e a gente se acertar.

BRANCA: Isso vai acontecer logo, Fabi. É só uma questão de pouquíssimo tempo. (T) Sabe que a Eliete é do tipo de mulher que eu não consigo descrever?! Pra mim ela é uma interrogação, é indescritível. Tem horas que eu a vejo como um monstro, sem escrúpulos. Já outra hora eu vejo um lado maternal tão bonito que não tem nada a ver com o outro lado dela. E tem horas que a vejo apenas como uma mal amada, carente.

FABIANA: É verdade. Eu também. Apesar de tudo, só consigo sentir uma coisa por ela: Pena! E eu disse isso na cara dela. Assim, na lata! (Levantando-se) Bom, mas agora chega de falar em Eliete! Vem comigo até meu quarto. Quero te mostrar uns negócios lindos de decoração que eu comprei.

Branca levanta-se. Ela e Fabiana saem do local. CORTA PARA/

 

CENA 03. EDIFÍCIO DALGA. APARTAMENTO 155. SALA. INT. NOITE.

Mateus e Ridinha adentram o local. Eliete deitada no chão. Mateus assusta-se.

MATEUS: Mãe!

RIDINHA: Meu Deus! O que aconteceu com ela?

Mateus aproxima-se de Eliete e a levanta. Eliete visivelmente abatida, olhos inchados e vermelhos.

MATEUS: O que aconteceu, mãe? Porque a senhora tá assim?

ELIETE: Entrega! Eu me entreguei aos meus sentimentos, a minha fragilidade, a minha fraqueza e me derramei, botei pra fora. Não tem outra maneira de fazer isso se não for chorando.

Mateus e Eliete sentam-se no sofá. Eles se abraçam fortemente.

RIDINHA: Mas teve algum motivo específico, Dona Eliete?

O abraço termina.

MATEUS: Com certeza foi o Jader. Não foi, mãe?

ELIETE: Ele descobriu tudo. A Fabiana teve aqui e me gravou confessando. O tal namorado da Branca parece que já saiu do hospital e ela também confirmou tudo que eu fiz, e aí ele veio aqui e você já deve imaginar o que aconteceu. Acabou, Mateus! Definitivamente, acabou tudo! Eu já eliminei todas as alternativas. Ele nunca vai me amar. E agora tá é com raiva, ódio de mim.

MATEUS: Eu sabia que isso ia acontecer. Mas foi bom! Tudo tem seu lado bom e foi ótimo você ter esse choque, mãe. Há muito tempo que a senhora não tava enxergando mais.

RIDINHA: Eu vou lá à cozinha pedir um copo de água pra empregada e trago pra ela.

Ridinha sai.

MATEUS: Você precisa se libertar, mãe. E pra isso, nada melhor do que um novo amor. Você precisa amar uma nova pessoa, mas alguém que corresponda ao seu amor. E só assim, com esse amor novo, você vai esquecer esse antigo que só te fez mal, que não te trouxe nada de bom.

ELIETE: Não sei se eu quero, Mateus. Não sei sequero sentir isso novamente. Não tô pronta. Acho que nunca tive.

MATEUS: Claro que não está pronta! Pra isso, você tem que se enxergar de novo, se conhecer,  se amar primeiro, respirar. É como se você estivesse presa no fundo do mar durante anos, estufada e aí agora você sobe a superfície e sente o que é respirar de novo. É isso que você precisa antes. Porque você não faz análise ou terapia, mãe?

ELIETE: Oi?!

MATEUS: É, mãe. Vai te fazer bem. Você precisa dessa alto-ajuda. Pra se soltar desse sentimento que te prendeu, você precisa querer se ajudar. Ergue a cabeça e recomeça, Eliete Marques. Você pode! Você consegue!

Eliete dá um leve sorriso. Ridinha vem de dentro com um copo d’água em mãos. Mateus pega e entrega a Eliete. Ela bebe, pensativa. CORTA PARA/

 

CENA 04. RIO DE JANEIRO. EXT. DIA.

PANORAMA da grande metrópole.

LEGENDA: Dias Depois...

CORTA PARA/

 

CENA 05. ACADEMIA DE BOXE. INT. DIA.

Eros em pé colocando suas luvas de boxe. Hugo sentado.

EROS: (Animado) Eu não via a hora de voltar a treinar de novo. Mas agora sem aquela pressão, aquela pretensão de nada. Só de fazer o que eu gosto!

HUGO: E 100%. Pronto pra outra!

EROS: (Sorrindo) Olha, foi barra e chato pra caramba ficar no hospital, quebrar a perna, mas com o cuidado da Branca e de meu irmão, arriscaria me acidentar de novo só pra ser paparicado. Não tem coisa melhor!

HUGO: Ah, danado!

Eles riem.

HUGO: (Levantando-se) Agora vamo pro ataque porque eu também tô aqui a todo gás.

Eros e Hugo começam a treinar. CORTA PARA/

 

CENA 06. RIO DE JANEIRO. RUA. EXT. DIA.

Diego caminha rapidamente. Ele cospe no chão. Dobra uma esquina e entra em um Shopping. CORTA PARA/

 

CENA 07. SHOPPING. INT. DIA.

Diego, visivelmente animado, caminha por diferentes lojas do Shopping observando as vitrines. CORTA PARA/

 

CENA 08. FAZENDA DE IZAEL. SEDE. SALA. INT. DIA.

William sentado no sofá assistindo TV. Marisa vem de dentro e senta-se ao seu lado. Dália adentra o local com um jornal em mãos.

MARISA: Cadê as compras que te pedi pra fazer na cidade, Dália?

DÁLIA: (Tristonha) Eu comprei muita coisa e aí o entregador vai vim trazer depois.

WILLIAM: (Estranha) Quê cara é essa, mãe? Aconteceu alguma coisa?

DÁLIA: Olha só esse jornal, meu filho. Eu passei pela banca de jornal e quando meu olho bateu...(Entregando-lhe) Lê essa notícia aí da frente.

William pega o jornal.

MARISA: É alguma tragédia?

WILLIAM: (Lendo) Esse homem é o/

DÁLIA: (POR CIMA) É, meu filho. Esse era o seu pai sim!

William joga o jornal no chão. Curva-se apoiando os cotovelos nas pernas. Marisa o abraça imediatamente.

DÁLIA: Desde que seu pai nos abandonou, nos deixou, que eu não tive nenhuma notícia, nenhum aviso, nada! Você era criança, mas eu sei que lembra e o quanto sofreu. Ele deixou claro que ia embora pra nunca mais voltar e cumpriu!

WILLIAM: (Olha para Dália/Chorando) Mesmo assim eu ainda tinha esperanças de que um dia eu iria o vê de novo. Sei lá, que algum desses acasos da vida fosse nos juntar, fazer a gente se encontrar de novo. Eu ainda acreditava nisso.

DÁLIA: Seu pai sempre optou pelo caminho ruim. No fundo ele sabia que o caminho não tinha saída, mas seguiu por ele assim mesmo. Era teimoso, achava que podia tudo. Dizia que só tinha medo de sua coragem. Um pouco parecido com você. Mas olha aí no que deu: Virou traficante, criou uma boca de fumo na favela, devia já ser respeitado por lá, mas procurado pela polícia e aí acabou sendo morto em troca de tiros com eles. (T) Não temos mais nada a fazer. Agora é você segui e eu também, mas sozinha como passei esses anos todos. Porque homem fixo, eu não quero nunca mais na minha vida!

WILLIAM: (Abalado) Eu vou pro quarto! Preciso ficar sozinho. Vou ficar bem, mas me deixem sozinho esse tempo!

William sai em direção ao quarto. Dália e Marisa se entreolham. Dália senta-se no sofá ao lado de Marisa. As duas pensativas. CORTA PARA/

 

CENA 09. EDIFÍCIO PLARES. APARTAMENTO 121. SALA. INT. DIA.

Carla, com um envelope em mãos, fecha a porta. Jader e Rafael vêm de dentro.

JADER: Quem era?

CARLA: Um homem do laboratório. Ele veio entregar o resultado do exame de DNA.

Jader e Rafael se entreolham.

RAFAEL: Abre, Carla! É melhor você abrir, ler e dizer pra gente.

CARLA: Então tá!

Carla abre o envelope e retira o exame.

RAFAEL: (Apreensivo) E então?

CARLA: (Lendo) É o que todo mundo já sabia. Deu positivo!

JADER: É, no fundo eu sabia mesmo.

RAFAEL: Eu também!

CARLA: Mas agora que você já tem o que queria, acho que tá na hora de se acertar com sua mãe, Rafa. Dar uma chance a ela. Você ficar a evitando, guardando mágoa, não vai mudar em nada o laço que une vocês. A Fabiana é sua mãe, o Greg seu pai biológico, o Jader seu pai do coração, eu a sua namorada, e todos unidos no mesmo grupo. O grupo: Amam o Rafael! E é isso, o amor é que importa. O amor que você sente por cada um de nós e que cada um sente por você. É ele que sela esse elo que jamais vai ser desfeito.

JADER: A Carla tem toda razão, meu filho! Eu também já te disse isso, lembra?!

Rafael dá um leve sorriso. Carla e Jader o abraçam. CORTA PARA/

 

CENA 10. RIO DE JANEIRO. EXT. NOITE.

Anoitece. Planos gerais de diferentes pontos turísticos da cidade. CORTA PARA/

 

CENA 11. CASA DE EROS. SALA. INT. NOITE.

Ueslei adentra o local. Branca e Eros vem de dentro.

UESLEI: (Joga a chave no sofá) Oi, Branca. Boa noite!

BRANCA: Boa noite!

EROS: A Branca passou aqui porque a gente vai sair.

UESLEI: Ah, que legal! Eu tô vindo de lá da academia. Dei uma passadinha rápida lá. (T) E o Diego, ta aí?! Ele me disse que vinha pra cá.

EROS: Tá lá dentro. Chegou tem pouco tempo.

Eros e Branca se entreolham e riem. Ueslei desconfia. Diego vem de dentro sorridente com uma enorme caixa enfeitada e cheia de presente e chocolates, em mãos.

UESLEI: (Surpreso/Sorri) Diegooo!

DIEGO: (Entregando) Para o homem mais incrível desse mundo!

EROS: Ele chegou com isso aí, disse que seria uma surpresa, foi lá pra dentro e pediu pra a gente não dizer nada. Então...

Ueslei pega a caixa e beija Diego.

BRANCA: (Admirando) Que coisa mais linda, gente!

O beijo termina.

UESLEI: (Radiante) Só você mesmo pra fazer uma coisa dessas!

DIEGO: Você merece isso e muito, muito mais! Só que ainda não acabou não.

Diego se ajoelha e retira do bolso um anel.

DIEGO: (Encarando-o/Sorrindo)  Ueslei Amorim: Você aceita se casar comigo?

Reação de Ueslei. Branca e Eros boquiabertos.

UESLEI: (Brilho e lágrimas nos olhos) Aceito! Mas é claro que eu aceito. É claro!

Ueslei joga-se nos braços de Diego dando-lhe vários beijos.

DIEGO: Vire a mão aí então, vá rapaz! (Risada).

Diego coloca o anel no dedo de Ueslei. Eros e Branca, sorridentes, aproximam-se dos dois e começa a cumprimenta-los. CORTA PARA/

 

CENA 12. EDIFÍCIO LORES. APARTAMENTO 199. SALA. INT. NOITE.

Fabiana abre a porta dando de cara com Greg e Simone.

FABIANA: (Surpresa) Vocês?

GREG: É. A gente veio te trazer o resultado do exame, que já chegou.

FABIANA: Não preciso de resultado de exame nenhum. Eu sei exatamente o que tá escrito aí.

SIMONE: Por favor, Fabiana. Seja mais tolerante.

FABIANA: Entrem!

Greg e Simone entram. Fabiana fecha a porta.

GREG: (Entregando-a) Você pode ficar com ele pra você. Eu também já sabia do resultado, Fabiana. Eu senti uma ligação paterna pelo Rafa muito antes de descobrir toda a verdade. Mas quem pediu esse exame não fui eu, então...

FABIANA: (Pegando) Eu sei sim.

SIMONE: Uma hora dessas o Rafael já deve ter recebido também.

FABIANA: De nada adianta! Parece que meu filho rompeu comigo de vez. Não me procurou mais, nem ligou, nem nada. Eu sei que foi muito difícil pra ele, que ele precisava de um tempo, mas esse tempo parece que não acaba nunca.

Ouve-se a campainha tocar. Fabiana caminha em direção à porta e a abre.

RAFAEL: Oi, mãe. Será que eu posso entrar?

FABIANA: (Brilho nos olhos/Sorri) Meu filho! (T) Entra, entra!

Rafael entra. Fabiana fecha a porta.

RAFAEL: Greg! Você também já recebeu o resultado?

GREG: (Sorrindo) Já sim, cara. E aí, gostou, né?!

RAFAEL: (Riso tímido) Eu já sabia. Eu só precisava mesmo disso, desse choque.

FABIANA: E você, meu filho, veio aqui...?

RAFAEL: Eu vim por causa do exame, mas principalmente para conversar com a senhora, me acertar. Depois de todo esse tempo, não fazia mais sentindo continuar te ignorando. Foi difícil, eu pensei, eu sofri, mas acho que não há sentimento mais nobre do que o perdão. Não é fácil perdoar, mas é a melhor saída para a paz interior. Guardar ódio, rancor, raiva, não iria me trazer nada de bom. Então, mãe, eu vim aqui pra dizer que eu te perdoo e que a gente segue daqui por diante, apagando o passado, sem deixar nenhuma ferida dele estragar o que nos une.

Rafael abre os braços.

FABIANA: (Emocionada) Oh, meu filho!

Fabiana e Rafael se abraçam fortemente, emocionados. Greg se aproxima dos dois os abraçando também, formando um abraço triplo. Simone observa sorrindo. CORTA PARA/

 

CENA 13. CASA DE EROS. QUARTO DE UESLEI. INT. NOITE.

Diego e Ueslei, deitados na cama, conversam.

UESLEI: Nem tô acreditando o que você fez, Digo. Que a gente vai casar, que vamos oficializar tudo isso que a gente tá vivendo.

DIEGO: É, pra você ver. Comigo é assim, pô. Perco tempo não! (Riso).

UESLEI: Aí a gente vai ter nosso cantinho, você sai daquele aluguel de quitinete...

DIEGO: Adotamos nosso guri...

UESLEI: Ah, isso eu quero muito também!

DIEGO: Eu fico aqui pensando como foi louco a nossa história. E como o amor, o sentimento pode ser tão sem barreiras. Eu nunca fiquei com um homem antes, nunca nem sequer me atraia. Mas o negócio foi que eu não me apaixonei por o homem apenas, eu me apaixonei pela pessoa, pelo jeito, pelo ser humano incrível que você é. E esse ser humano tão incrível, que me despertou esse sentimento tão verdadeiro e bom, é um homem. Acho que por isso eu, você, a gente ficou tão confuso. Mas dane-se! Isso já não importava mais, era só um detalhe. Era algo bom demais, intenso e forte demais que eu já tava sentindo, que a gente tava sentindo, envolvidos.

UESLEI: (Sorri) Você disse tudo! Eu também não me apaixonei só por um homem. Eu me apaixonei por você: Diego! Por esse ser humano fantástico e único que Deus, por meio torto, colocou no meu caminho. Mas que no final tudo se acertou. E é o homem que eu quero passar o resto da minha vida!

Eles sorriem com lágrimas nos olhos. Beijam-se rapidamente.

DIEGO: Bom, que tal a gente dá uma saída, hein?! Comemorar?

UESLEI: Ué, por mim, tô dentro!

DIEGO: Opa! Vou te levar num lugar, meu amigo...

UESLEI: Hummm. Quê lugar? Agora fiquei curioso.

DIEGO: Você vai ver, você vai ver. Vamo tomar logo banho, bora!

Ueslei e Diego levantam-se da cama animados indo em direção ao banheiro do quarto. CORTA PARA/

 

CENA 14. BAR DO LAIO. FACHADA. EXT. NOITE.

Local movimentado. Música ao vivo tocando sambas. Diego e Ueslei em uma mesa.

DIEGO: Coisa boa esse bar aqui, né não?! Já vim muito aqui. Só parceirão aqui, essas bandas assim ao vivo, cerveja boa pra cacete...

UESLEI: É, eu gostei daqui. Mas vou ficar só no refrigerante mesmo.

DIEGO: Ah, toma um pouquinho da cerveja. Só pra experimentar, pô.

UESLEI: Tá bom. Então coloca aí só um pouquinho no meu copo.

Diego coloca cerveja no copo de Ueslei. Ele bebe.

DIEGO: E aí, né boa?

UESLEI: Até que é sim.

DIEGO: Tá vendo, rapaz. Eu disse. Eu sei das coisas.

Eles riem.

UESLEI: Oh Diego, e a Almerinda, hein?! Pra onde é que ela foi mesmo?

DIEGO: Olha, não sei. A última vez que eu a vi, no dia que eu invadi a mansão dela pra tirar satisfação, ela me falou que iria se mudar pro exterior. No dia eu nem acreditei. Tanto que pensei que poderia até ter sido ela a mandante no sequestro. Mas tô nem aí. Pra mim é indiferente. Em certo ponto, ela mesma, com a intenção de me ferrar, acabou me ajudando. A verdade é uma libertação e depois tudo se acertou. Talvez se ela não tivesse feito aquilo, eu poderia ainda tá preso naquela mentira e a gente nem estaria aqui agora.

UESLEI: É verdade!

DIEGO: Enfim... Só sei que foi morar no exterior. E que seja feliz por lá! Agora aonde, eu já não sei e nem quero! Agora eu só quero é dançar!

Diego toma um gole da cerveja. Ele levanta e começa a dançar sensualmente no ritmo da música. Ueslei sorrindo. CORTA PARA/

 

CENA 15. CANCUN. EXT. NOITE.

Planos gerais de diferentes pontos da cidade são mostrados. CORTA PARA/

 

CENA 16. MANSÃO DE ALMERINDA. JARDIM. EXT. NOITE.

Local elegantemente decorado. Muitas pessoas chiques vão adentrando. Almerinda, ao lado de sua governanta (Alta, magra, 35 anos), recepciona os convidados.

ALMERINDA: Sejam muito bem-vindos Sr. Andrews e Sra. Dwlay.

ANDREWS: Muchas gracias!

Ela os cumprimenta.

ALMERINDA: Fique a vontade!

O casal avança para o local da festa.

GOVERNANTA: (Baixo) Dona Almerinda, os jovens já estão lá em seus aposentos. Tem um até que é do Brasil.

ALMERINDA: Ótimo! Assim que acabar a festa eu irei atendê-los, Ryzia. Ou melhor, eles me atenderão e eu espero que me atendam bem, afinal, é esse o serviço deles.

RYZIA: Se a senhora quiser, eu fico recepcionando os convidados, tomando conta de toda a festa.

ALMERINDA: Obrigada, Ryzia. Mas eu prefiro praticar esse meu hobby com bastante calma, sem pressa alguma. (Riso).

Mais convidados vão chegando. Almerinda continua os recepcionando. CORTA PARA/

 

CENA 17. MANSÃO DE ALMERINDA. QUARTO. INT. NOITE.

Almerinda deitada na cama seminua. Dois homens jovens (Brancos, corpos sarados e com uns 23 anos) se vestem.

ALMERINDA: Vocês foram sensacionais. Fizeram muito bem o serviço. Gostosos demais!

JOVEM 1: Se a senhora gosta de qualidade e quantidade, a senhora teve.

ALMERINDA: E eu dei conta muito bem, não foi?! Não deixo nenhum na mão.

JOVEM 2: A senhora é um verdadeiro espetáculo!

ALMERINDA: Ah, por favor, esse negócio de senhora não. Já enjoou isso! Senhora tá no céu. E eu quero demorar muito de ir pra lá. A terra ainda tem muito coisa boa pra me oferecer e muito fruto bom pra se desfrutar. (T) Agora podem ir. A minha governanta, Ryzia, irá acertar tudo com vocês!

JOVENS: (Juntos) Com licença!

Os jovens saem e fecham a porta. Almerinda levanta-se e veste seu roupão. Ouve-se batidas na porta.

RYZIA: (Off) Sou eu, Dona Almerinda!

ALMERINDA: Entra!

Ryzia adentra o local.

RYZIA: Dona Almerinda, tô com um cara aí fora que você vai adorar. Exatamente o seu perfil, eu consegui! Forte, viril, jovem e com cara de mau. E mais: esse é brasileiro, morador de favela. Sabe como é a lei desses, né?! Pegam sem piedade nenhuma!

ALMERINDA: (Vibra )Nossa! E o que você tá esperando? Manda ele entrar agora!

RYZIA: Mas você não acabou de/

ALMERINDA: (POR CIMA) Anda,Ryzia. Não discuta! Rápido!

RYZIA: Tá. Eu vou mandar ele entrar.

Ryzia sai. Almerinda retira o roupão ficando seminua novamente. Ela ajeita os cabelos rapidamente. Um homem (Alto, branco, corpo sarado, cabelos tingidos de loiro, trajando apenas uma bermuda e com uns 25 anos) adentra o local.

HOMEM: (Com marra) E aí, madame. Tudo firmeza?

Almerinda vira-se e o olha de baixo para cima. Ela sorri.

HOMEM: Tô sabendo aí que a madame gosta de uma coisa quente, firme, selvagem. Vim da comunidade e lá não tem moleza, não. Meu nome de guerra é Capiroto. É assim que sou conhecido lá e em becos que eu ando. E aí, vai encarar?

ALMERINDA: (Sorri) Claro que eu encaro! Nunca tive medo do capeta. Ainda mais agora vendo que ele é o maior gostoso!

Capiroto a encara. Almerinda abre uma gaveta de seu guarda-roupa e retira um chicote e uma coleira de dentro. Ela entrega para ele. Ele pega e sorri. Almerinda vira de costas. Capiroto a pega por trás e coloca a coleira no pescoço dela. Almerinda, visivelmente excitada, vira-se, leva um dos dedos até a boca e sorri maliciosamente. Capiroto dá um tapa na cara de Almerinda e a joga na cama de forma brusca. Ele dá uma chicotada contra o chão, vai pra cima de Almerinda e rasga a lingerie dela. Começam a se beijam com ferocidade. CORTA PARA/

 

CENA 18. RIO DE JANEIRO. EXT. DIA.

Amanhece. PANORAMA da grande metrópole. CORTA PARA/

 

CENA 19. CONSULTÓRIO PSICOLÓGICO. SALA DE ATENDIMENTO. INT. DIA.

Local elegante, bem decorado. O analista (Branco, alto, cabelos grisalhos, e com uns 40 anos) está sentado em uma poltrona. Eliete adentra timidamente. Ela e o analista se entreolham.

ELIETE: Bom dia! (T) Dr. Cairé, né isso?! Falei certo?

CAIRÉ: Certíssimo! Pode se deitar ali no sofá.

ELIETE: (Receosa) Obrigada!

Eliete senta-se no sofá. Eles se olham fixamente. Eliete sorri levemente. Ele também.

CAIRÉ: Pode começar a falar! Sou todo ouvidos!

Eliete sorrindo, visivelmente encantada. Um clima no ar. CORTA PARA/

 

CENA 20.  FAZENDA DE IZAEL. SEDE. QUARTO DO CASAL. INT. DIA.

William, sentado a cama, mexe no notebook. Marisa ao seu lado.

MARISA: Vai, William. Tenta achar a Fabiana aí no meu facebook. Eu já tentei achar mil vezes e não consegui.

WILLIAM: Eu não achei o face dessa sua amiga no seu não, Marisa. Vou procurar aqui no meu. Como é o nome dela?

MARISA: Fabiana Pacheco.

WILLIAM: Olha aqui, já achei.

MARISA: (Olhando) Meu Deus! Olha aí, é ela mesma. No meu eu não consegui encontrar de jeito nenhum.

WILLIAM: O Izael tinha a senha do seu facebook?

MARISA: Tinha.

WILLIAM: E ele não gostava dela, né?! Então tá explicado! Ele deve ter bloqueado o perfil da Fabiana e aí por isso que cê não achava.

MARISA: Não acredito nisso. Deve ter sido isso mesmo. Por eu não entender direito desse negócio de internet, ele, esperto, fez isso. Ele não gostava muito da Fabiana não. Depois você desbloqueia ela no meu face aí, tá?! E envia um convite aí pra Fabiana que eu quero muito marcar de revê-la. Tava sem o contato dela e há tempos eu não falo com ela.

WILLIAM: Vou mandar aqui.

Marisa e William continuam entretidos no notebook. CORTA PARA/

 

CENA 21. CACHOEIRA. EXT. DIA.

O carro de Izael está parado ali. Izael e Luara mergulham, divertem-se na água. Eles sobem numa pedra e sentam-se.

IZAEL: (Abraçando-a) Tão bom isso tudo, né?! Sem aquele peso, sem nada. Apenas com a liberdade todinha ao nosso favor, de amor de verdade...

LUARA: Nem me fala,Izael. Acho que a venda do meu sítio também foi algo acertado. Com o dinheiro a gente vai poder viajar pra lugares ainda mais longes, guardar a outra parte, juntar com a que você tem. A Marisa também deve saber cuidar bem dos seus negócios da fazenda. (T) Tá tudo tão perfeito. Como se fosse um sonho. Acho que a única parte chata é pra você que fica cada vez mais afastado do seu filho, né?

IZAEL: Não, não. Eu já tava acostumado com isso. O Paulo passou anos estudando no exterior. Aí se formou, passou uma semaninha lá na fazenda, depois foi pro Rio pra trabalhar. Enfim... Já é normal pra mim tudo isso. Eu sempre mantenho contato com ele mais pela internet, ligação. E vou continuar mantendo assim. Ligando, me preocupando. Acho que a relação paterna é assim. A gente pode tá distante da nossa cria, mas vamos está sempre ligados, pertos.

LUARA: (Sorri) É verdade! Já sabe onde será nossa próxima parada?

IZAEL: A gente decide no caminho.

LUARA: Bom, então... (T) Quero ver você me pegar agora!

Luara pula na água, mergulhando. Izael pula em seguida. Começam uma divertida guerra de água, riem, beijam-se. CORTA PARA/

 

CENA 22. ORFANATO. FACHADA. EXT. DIA.

Ueslei estaciona o carro. Ueslei e Diego descem. Diego tenta pegar na mão de Ueslei. Ele se desvencilha.

DIEGO: O que foi, rapaz?

UESLEI: (Receoso/Olhando em volta) É...

DIEGO: Fique de boa. Precisa cisma não. Você tá com Diego Aguiar aqui, pô. Tá pensando o quê?! Sei lutar de tudo. Alguém que venha mexer com nós pra ver uma coisa. Boto pra correr com um quente e dois fervendo.

Eles riem. Ueslei, confiante, pega na mão de Diego. Eles entram no orfanato. CORTA PARA/

 

CENA 23. ORFANATO. RECEPÇÃO. INT. DIA.

Diego e Ueslei adentram o local aproximando-se do balcão.

UESLEI: Bom dia!

RECEPCIONISTA: Bom dia!

UESLEI: A gente queria vê as crianças, conhecer elas.

RECEPCIONISTA: Vocês têm a intenção de adotar?

DIEGO: Sim! Estamos querendo muito. Será que dar pra a gente conhecer as crianças?

RECEPCIONISTA: Claro! Me acompanhem!

A recepcionista sai de trás do balcão e sai do local, seguida por Ueslei e Diego. CORTA PARA/

 

CENA 24. EDIFÍCIO PLARES. APARTAMENTO 121. SALA. INT. DIA.

Ouve-se a campainha tocar. Jader vem de dentro, abre a porta e dá de cara com uma mulher (Alta, magra, branca, ruiva e com uns 23 anos).

MULHER: Bom dia! Eu me chamo Fantine. Me mudei pro apê aqui em frente. Vim pro Rio estudar, sabe?!  (Riso).

JADER: (Boquiaberto/Estendendo a mão) Ah, muito prazer!

Eles se cumprimentam.

FANTINE: Bom, eu só vim mesmo incomodar porqu/

JADER: (POR CIMA/Visivelmente encantado) Não é incômodo nenhum!

FANTINE: (Sorridente) Obrigada! Mas é porque eu me mudei ontem e ainda tá faltando uma coisa ou outra.

JADER: (Sorri) Sei...

FANTINE: Aí eu tava fazendo um bolo e vi que faltou o açúcar. Então, como seu apartamento é em frente, resolvi vim pedir aqui. Você tem uma xícara de açúcar pra me emprestar?

JADER: Claro! Entre, por favor!

FANTINE: (Entrando) Com licença!

Jader fecha a porta. Entreolham-se surgindo um clima.

JADER: Vamos lá à cozinha que eu te dou!

Jader e Fantine saem em direção à cozinha. CORTA PARA/

 

CENA 25. ORFANATO. ÁREA DE LAZER. EXT. DIA.

Várias crianças correm e brincam no local. Diego e Ueslei, sorridentes, as observam ao fundo. Eles reparam em um menino (Negro, cabelo cacheado e com uns 7 anos) que está cabisbaixo sentado em um canto. Diego e Ueslei se entreolham.

UESLEI: É aquele, Diego. É ele!

O menino levanta a cabeça reparando neles e sorri. Diego e Ueslei retribuem o sorriso. CORTAM PARA/

 

CENA 26. PRAIA. EXT. DIA.

Fabiana em uma mesa próximo a um quiosque. Ela toma uma água de coco enquanto observa o mar. Um homem (Alto, corpo em forma, cabelos pretos e lisos, trajando roupa de exercício físico e com uns 37 anos) aproxima-se dela.

HOMEM: (Tocando-a no ombro) Ei!

Fabiana vira-se de imediato. Os olhos deles se fixam um no outro. Ele sorri.

HOMEM: (Surpreso) Fabiana, é você?

FABIANA: (Boquiaberta/Admirada) Meu Deus! Eu não acredito! Jeferson?

JEFERSON: (Sorridente) Sou eu sim! Caraca! Eu tava correndo aqui na praia, te vi de costas e achei bem parecida. Aí eu disse: ‘’Não, não é possível. É muito parecida com a Fabianinha. Vou ter que ir tirar a prova dos nove’’.

FABIANA: (Sorri) Nossa! E eu tô sem palavras. Eu nem acreditei. Te reconheci logo quando olhei pra tua cara. Você tá bonito, em forma, mas esse olhar de anjo que você tem é inconfundível e não mudou nada. Não tinha como esquecer.

Jeferson senta-se ao lado de Fabiana.

JEFERSON: Você também não! O tempo te fez muito bem.

FABIANA: Você sabe que foi meu primeiro amor, né?! O menino que eu tive meu primeiro namorico. Durou quanto tempo mesmo? Quatro anos?

JEFERSON: Ah, acho que sim. Da 2ª até a 5ª série. Foi com você que dei meu primeiro beijo. A gente perdeu nosso BV no fundo da sala depois que a professora saiu, lembra?

FABIANA: (Sorrindo) Obvio! A gente nunca esquece nossa primeira vez de nada. Mas aí depois você sumiu. Eu mudei de colégio, nunca mais te vi, nem tive notícias. Você sumiu mesmo. Onde cê tava? Aonde você foi morar?

JEFERSON: Ah, na época minha mãe ficou viúva e aí a gente foi morar na casa de minha vó em São Paulo. Depois eu cresci, fui trabalhar na Bahia, em Salvador. Namorei, terminei. Me estafei. (Riso). E aí há pouco tempo eu resolvi voltar pro Rio. E agora minha vida tá mais calma e eu sou DJ.

FABIANA: DJ? Olha, quem diria.

JEFERSON: Pode acreditar! Mas eu nunca pensei que fosse te encontrar aqui. (T) Aceita mais uma água de coco?

FABIANA: Humm... Não! Aceito a sua companhia. Você compra uma água de coco pra você, e toma junto comigo. A minha ainda tá na metade aqui.

JEFERSON: Então fechou!

Jeferson se levanta indo em direção ao quiosque. Fabiana e ele se entreolham. Fabiana desvia o olhar e sorri. CORTA PARA/

 

CENA 27. RIO DE JANEIRO. EXT. NOITE.

Planos gerais de diferentes pontos turísticos.

LEGENDA: Algumas Semanas Depois.

CORTA PARA/

 

CENA 28. CASA DE BRANCA. SALA. INT. NOITE.

Branca fecha a porta com um cachorrinho no colo. Eros vem de dentro.

BRANCA: (Sorridente) Olha só, Eros. O filhotinho que peguei pra criar. A cadela da vizinha pariu seis e eu não resisti e pedi um a ela. Num é lindo?

EROS: Ah, é lindo sim. Uma fofura!

BRANCA: Eu sempre quis ter um bichinho de estimação assim. E um cachorro é o melhor amigo do homem, como dizem.

Branca senta-se no sofá com o cachorrinho em seu colo.

EROS: É, mas seria bom a gente fazer nossa própria cria. Fazermos um filho, você engravidar...

BRANCA: Eu?

EROS: (Irônico) Não, é eu! (Riso) Claro que é você né, Branca?! Os homens ainda não engravidam. E aí, o que acha da gente ter um filho?

BRANCA: É, pode até ser. Mas não nos casamos, nem nada. Não sei...

EROS: Não precisa casar pra ter um filho. A gente tá bem como tá, temos certeza do sentimento que temos um pelo outro, que a gente quer tá um com o outro até o fim... A gente tem o amor e isso é o suficiente pra se gerar um fruto. Isso basta!

BRANCA: (Sorri) Eu te amo, sabia?!

Eros senta-se no sofá ao lado de Branca.

EROS: Eu também. E te amo demais da conta!

Eles se beijam rapidamente. Branca e Eros brincam com o cachorrinho divertindo-se. CORTA PARA/

 

CENA 29. EDIFÍCIO DALGA. APARTAMENTO 155. SALA. INT. DIA.

Eliete sentada no sofá. Mateus adentra o local.

MATEUS: Oi, minha mãe. Tava na casa da Ridinha. Os pais delas me tratam muito bem.

ELIETE: Ah, não tinha como ser diferente, né?! (T) Meu filho, eu tô indo viajar!

MATEUS: Viajar? Pra onde?

ELIETE: Eu e o Cairé ainda não decidimos. Mas talvez Itália, França ou Suiça.

MATEUS: Pois aproveite, mãe. Eu tô tão feliz de te ver bem, de finalmente te vê apaixonada por um homem que também gosta de você, que tá te fazendo feliz.

ELIETE: (Sorri) O Cairé é sensacional mesmo. E eu devo isso a você que me convenceu, que me incentivou a procurar ajuda, fazer análise. E eu ganhei não só um maravilhoso analista, como também um maravilhoso homem, um namorado sem igual.

MATEUS: Então aproveite e viaje mesmo, relaxe, curta. E fique tranquila que eu tomo conta de tudo.

ELIETE: (Levantando-se) Isso mesmo que eu queria falar. Eu não vou ficar muito tempo viajando não. Só umas semaninhas. Aí, enquanto isso, eu deixo a SCAR sob seu controle, tá?! E não é um bicho de sete cabeças. O Jader saiu, mas lá ainda tem ótimos profissionais que vai te ajudar, te ensinar tudo. É até bom que você já aprende a administrar um negócio que será seu.

MATEUS: Tá. Mas a senhora sabe que/

ELIETE: (POR CIMA) Eu sei, eu sei que seu negócio mesmo é o skate. Mas uma coisa não exclui a outra, né?! (T) Bom, agora eu vou começar a arrumar minhas malas. Viajo amanhã cedo.

Eliete sai em direção ao quarto. Mateus senta-se no sofá, sorri. CORTA PARA/

 

CENA 30. COMPILAÇÃO DE CENAS.

Ambiente decorado. Diego e Ueslei em um altar em frente a uma Juíza. Eles assinam o papel. Beijam-se emocionados. Todos os convidados vibram e aplaudem.

Greg surfando. Simone, sentada na areia, o observa. Greg sai do mar com a prancha em mãos, vai em direção a Simone e a beija.

A lancha está próximo a ilha. Diego e Ueslei, apoiados na ponta da lancha, observam o mar. Beijam-se, riem.

Muitas pessoas em volta. Jader, sorridente, corta o laço de inauguração. Todos aplaudem.

Diego e Ueslei se divertem no carro de bate-bate.

Branca comemorando com Eros o resultado do teste de farmácia de gravidez de que mostra positivo. Eles se abraçam.

Ueslei e Diego dividindo o balcão. Eles se entreolham, sorriem.

Muitas pessoas por ali. Cadeiras, mesas e churrasco. Músicas de samba em alto volume. Várias pessoas sambando. William e Marisa entre elas. Dália, em uma das mesas, tomando cerveja e comendo um espeto de carne.

Ueslei e Diego lado a lado. O corretor tira um documento de sua pasta o entregando para Ueslei, que assina.

Rafael e Carla, de mãos dadas, correm e pulam na piscina.

Eliete e Cairé, abraçados, observam as estrelas pela janela. Os dois com copos de champanhe em mãos.

Jader e Fantine, seminus, beijam-se deitados na cama.

Marisa e William vindo em direção a Fabiana e Jeferson. Marisa e Fabiana se abraçam calorosamente.

Uma assistência social entra de mãos dadas com o menino. Ele corre em direção a Diego e Ueslei e os abraçam.

 

CENA 31. RIO DE JANEIRO. EXT. NOITE.

Planos gerais de importantes pontos turísticos da cidade são mostrados de forma acelerada.

LEGENDA: Meses Depois.

CORTA PARA/

 

CENA 32. CASA DE FESTA. JARDIM. EXT. NOITE.

Local decorado com requinte. Mesas por todo o jardim. Uma banda de música cantando e tocando ao vivo. Pessoas caminhando por toda parte. Fabiana circula por ali ao lado de Jeferson.

FABIANA: Não precisa ficar acanhado, Jeff. O Jader é muito educado. Só tem gente legal aqui.

JEFERSON: Eu não tô acanhado por causa disso. Afinal, o Jader é pai de coração do seu filho e eu já me acostumei com ele. Só fico meio deslocado em festas assim, sabe?! Mas é coisa minha mesmo. Sempre fui assim.

FABIANA: (Admirando-o) Você tá lindo! Aliás, você é lindo! (T) Ai, eu nem acredito que a vida me deu esse presente. Te resgatou lá do fundo do meu baú e te trouxe de volta pra me fazer feliz outra vez. Pra fazer eu me senti como a mesma menina leve e apaixonada daquela época, trazendo todo aquele sentimento à tona novamente.

JEFERSON: É por isso que eu amo viver. Porque apesar das coisas ruins que todo mundo passa, sempre tem uma coisa boa pra nos acontecer.

Fabiana e Jeferson se beijam rapidamente.

FABIANA: E daqui a pouco você vai assumir o som da festa, hein?! E eu sei que meu DJ aqui, vai arrebentar, como sempre!

Branca, ao lado de Eros, Diego, Ueslei e uma criança, veem em direção aos dois. Branca exibe sua barriga de grávida.

FABIANA: Gente! Mas que barriga linda, enorme.

BRANCA: Gostou?! Ai, nossa! Vai demorar um pouco, mas eu já tô tão ansiosa.

JEFERSON: E aí, a ultrassom que você foi fazer hoje, conseguiu ver o sexo?

EROS: Vai ser um menino. Um forte meninão, que nem o pai aqui!

BRANCA: (Sorridente) O Eros tá todo animado. Não esconde de ninguém que ele preferia mesmo que fosse um menino. (T) Cadê a sua outra amiga, a Marisa, que você disse que ia tá aqui?

FABIANA: Ela tá ali com o homem dela. Mas a Marisa não gosta muito de cidade grande. Veio passar uns tempos aqui no Rio pra passear e matar as saudades da amiga aqui, claro, mas já quer voltar pra fazenda dela. A mãe do namorado dela, ficou lá na fazenda.

BRANCA: Vou ficar com ciúmes, hein?!

Elas riem.

EROS: (Apontando) E aquele outro rapaz ali com ela, é quem?

FABIANA: Ah, é o filho dela. Esse tá fixo aqui no Rio. Trabalha aqui. (P/Ueslei) E esse garotão aí?! Que menino lindo!

UESLEI: É o nosso filho!

MENINO: Muito bonito seu traje, tia.

FABIANA: Ah, obrigada, meu amor! (Beijando-o na testa) Quê menino mais educado, gente!

DIEGO: É. O garotão é esperto!

UESLEI: Ainda falta algumas pequeniníssimas questões, mas ele já é nosso! E tá feliz, né, filho?! Morando com a gente, com um quarto só pra ele, já estudando...

MENINO: (Vibrando) Demais!

FABIANA: (Sorrindo) Quê coisa boa! (T) Bem, agora eu vou ali falar com a Marisa, rapidinho.

Fabiana sai em direção a Marisa, William e Paulo, que estão juntos.

FABIANA: (Cumprimentando-o) E aí, Marisa. Gostando da festa?

MARISA: Demais! O Jader tendo bom gosto como sempre.

Fabiana cumprimenta William e Paulo.

FABIANA: E esse jovem bonito aqui; solteiro?

PAULO: (Sorri) Tô sim. Solteiro, mas nunca sozinho.

Todos riem.

FABIANA: Marisa, depois eu te entrego o produto da Hinode que cê me encomedou tá?! Depois que eu comecei a vender, me senti bem mais independente. (T) Bom, eu vou ali pegar uma bebida. Com licença!

Fabiana sai.

MARISA: E o seu pai, Paulo, tem ligado pra você?

PAULO: Nós nos ligamos, sim!

WILLIAM: E o que você falou, cara?

PAULO: Falei a verdade. Que vocês tavam juntos. Mas podem ficar tranquilos, que pra todos os efeitos, e pra ele também, vocês começaram a se envolver depois que meu pai e a senhora se separaram.

MARISA: É melhor assim, meu filho. Ele também tá feliz lá com a namorada dele, então foi bom que tudo se resolveu bem.

WILLIAM: Paulo, você não tá mais com raiva de mim não, né?!

PAULO: Tá beleza. Se você realmente tá fazendo minha mãe feliz, é o que importa!

Eles sorriem. Jader vem aproximando-se deles.

JADER: E aí, gostando da festa?

Jader os cumprimenta.

MARISA: Adorando! E feliz aniversário, Jader. Vim convidada pela Fabiana, mas...

JADER: Obrigado! Fique a vontade e aproveitem a festa! Com licença!

Jader sai, indo em direção a uma mesa onde está Eliete, Cairé, Mateus e Ridinha. Eliete se levanta.

ELIETE: Jader! (Retira um pacote da bolsa) O seu presente!

JADER: (Pegando) Ah, Obrigado, Eliete!

ELIETE: Bom, eu sei de tudo que aconteceu entre a gente e tal, mas depois desse tempo...

JADER: Já tá superado! Eu tô bem e tô feliz em te ver bem também!

ELIETE: É. Realmente eu tô mesmo! E esse aqui que é o Cairé, o responsável por isso!

JADER: (Cumprimentando-o) Ah, muito prazer!

CAIRÉ: Prazer! Feliz aniversário!

JADER: Muito obrigado!

Eliete senta-se novamente. Fantine, exibindo uma barriga de grávida, aproxima-se Jader o beijando rapidamente.

FANTINE: Vambora, meu amor. Já tá na hora do seu discurso.

JADER: E cadê o Rafa?

FANTINE: Ah, a última vez que eu o vi, ele tava junto com a Carla, Simone e o Greg.

JADER: Bom, então vamos pro palco! Com licença!

Jader pega na mão de Fantine e vão juntos em direção ao palco. Jader pega o microfone. Fantine ao seu lado.

JADER: Meus convidados e amigos: Eu queria a atenção de todos pra dizer algumas palavras. Quero dizer que estou muito feliz em ter todos vocês presentes aqui e dizer que nos últimos tempos a palavra AMOR me desafiou muito em todos os sentidos, de todas as formas. E eu fui descobrindo as outras faces do amor, os outros jeitos de amar, até quando você se decepciona, ou até quando você descobre que não tá ligado ao mesmo sangue. Mas o amor ele sempre fica. E quando é de verdade mesmo, ele se renova sempre. E eu tô rodeado de gente que eu amo. Comemoro mais uma primavera feliz, realizado, renovado e disposto a disfrutar tudo de bom que a vida tem a me oferecer daqui pra frente. Inclusive mais um filho, que a essa altura do campeonato, eu irei ganhar! (Alisa a barriga de Fantine) Eu sou um homem feliz por completo!  Muito Obrigado á todos!

Fantine beija Jader rapidamente. Todos aplaudem. A banda de música começa a tocar a canção de parabéns. Rafa sobe ao palco com um bolo em mãos, seguido por Greg, Simone e Carla. Jader sorri surpreso. Bolas brancas e douradas começam a cair. Todo mundo cantando. Rafael entrega o bolo nas mãos de Greg e abraça Jader. A música termina. Todos aplaudem. O abraço termina. Rafael pega o microfone.

RAFAEL: Eu quero dizer apenas uma coisinha rápida: Eu sou um sortudo de marca maior! Tenho dois pais e isso não é pra qualquer um não. (Riso). Amo demais vocês dois! E claro a minha mãezinha que ali embaixo também!

Rafael acena para Fabiana, que levanta o braço e sorri. Rafael abraça Greg e Jader de uma só vez. Todos aplaudem. O abraço termina. Simone entrega para Jader uma faca e um pequeno prato.

RAFAEL: Agora, Senhor aniversariante, corte um pedaço do bolo e diga para quem vai o primeiro pedaço.

JADER: Bom...

Jader corta um pedaço do bolo e coloca no prato.

JADER: ... O primeiro pedaço vai para... Rafael!

RAFAEL: (Pegando) Ah, eu já sabia. E o segundo?

JADER: Pra mulher que eu amo, é claro! Minha Fanta! Essa mulher incrível que apareceu na minha vida e só me trouxe coisa boa.

Fantine sorri e agarra Jader dando-lhe um beijaço. Jeferson vai até a equipe de música e assume o som da festa. Uma música animada começa a tocar.

RAFAEL: (Ao microfone) E as surpresas ainda não acabaram não, minha gente! Meu pai, olhe lá pro céu agora. E todo mundo aí olhando também! Depois é só aproveitar a festa e cair na dança!

Todos olham para cima. Fogos começam a serem visto no céu estrelado. Frases como FELIZ ANIVERÁRIO e EU TE AMO são formadas. Todos começam a se derem as mãos, sorridentes. Uma última frase se forma com a palavra:

FIM!

 

 

 

TODOS CAPÍTULOS